segunda-feira, 29 de setembro de 2008

cansando de esperança

"- Porque eu sou assim. - disse.

- Vê até onde vai... - falou.

- Vai até eu desistir de esperança. - eu disse."





Ela espera tanto, que isso já deixou de ter sentido. "Isso", porque o que eles "têm" não pode ser classificado, porque se pudesse seria: amargura, e ela não quer consentir com essa classificação, não externamente. Não conformada.
Espera, isso não tem sentido.


(...)



E só restou a esperança, de que um dia ela não espere mais, não.

2 comentários:

B. disse...

Compartilho contigo meus sentimentos, que são pequenos porém parecidos com os teus.
E que sempre haja esperança, que sempre exista o além de tudo e as reticências.

E digo o mesmo, se sentires vontade parar, lembre-se que sempre há alguém esperando que continuemos.

M. disse...

A tristeza tem sempre uma esperança, de um dia não ser mais triste, não.