quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Palavras - Zeca Baleiro

Achei que seria diferente. Achava que ele era diferente; nós éramos diferentes, acho que achei demais, só não achei que acabaria assim...

Talvez o que mais me entristeça não seja o fato d'ele estar com outro alguém, mas sim o fato dele ter-me deixado apenas o fardo de esquecer-me dele.

Disseram-me que é mais fácil olvidar quem não foi bom pra você, hoje, posso dizer que discordo: mesmo que esse alguém lhe trate mal ou com muitos poréns e se apesar disso você ainda gostar dele, é gostar mais. Ainda pensei: não sei quem foi pior: ele, por não gostar de mim sabendo que eu gostava dele e continuar comigo, fazendo-me mal, ou eu, por deduzir que ele não gostava de mim e continuar com ele, fazendo-me mal.

Não consegui deixá-lo, nem deixá-lo com saudades, nem fazê-lo sentir que me perdeu. Não deixei-o: fui deixada, também deixada apenas com saudades - essas, do que achei que tive com ele e do que ainda teria - e lembranças.

Ele me deixou. Me deixou decepcionada, frustrada, amargurada e mal-amada. Me deixou: apenas o caminho de esquecê-lo. Às vezes eu quero continuar gostando dele: é mais cômodo sofrer por alguém do que esquecer-se dele.

Uma das piores coisas que há é deixar de sentir um sentimento bom por alguém. É TER que deixar de gostar de alguém. Já nem me lembrava da amargura de sentir-se obrigada a abandonar o amor...

10 comentários:

Lucas Truta disse...

"é mais cômodo sofrer por alguém do que esquecer-se dele."
É, é mais cômodo, mãsss... Não é melhor.
às vezes (quase sempre), tem-se que passar por algo do tipo muito ruim para alcançarmos a felicidade, mesmo que essa seja utopia, ou momentânia, ou parcial.
mesmo assim, ótimo texto, ô haula.

B. disse...

Existem pessoas que não tem noção do que é o amor. Eu já estive nos dois papéis. Não era amor, mas era um gostar intenso e bonito que eu sentia. Eu sabia daquilo e mais ninguém.
Quando foi a minha vez de fazer alguém passar por aquilo, eu não soube medir e pesar os traumas e consequencias.
A gente acaba sendo patético e esquisito.
Isso tá virando um texto. =(
Um beijo e vê se fica bem.

Madame disse...

Ah, querida, respeite seu luto. Se permita chorar, questionar e sentir sua dor. Mas lute para que, o quanto antes você volte a viver. Você sabe que foi o melhor, porque não há nada pior do que servir a alguém que já não vê valor em nossa presença. Logo você estará com o coração aberto de novo, e não entenderá porque se permitiu sofrer tudo isso... Boa sorte, você merece.
Beijos, beijos, beijos.
Gigi

R.Laplace disse...

Muito bom
apareça sempre
passe seu msn, pra gnt bater um papo
bjs

.ana disse...

fiquei feliz com teu comentário no blog. =)
espero que de certa forma eu possa deixar aqui algumas palavras de apoio... porque eu compreendo exatamente o que estás sentindo. mas eu, no caso, fui mudando muito com o tempo, enxergando as coisas de outra forma. ainda sofro, mas sofro menos que antes, porque sei que não faz sentido viver para uma pessoa que nem sequer nos dá atenção, carinho, respeito, valor. e não adianta se sacrificar querendo mostrar que merecemos isso. as coisas devem fluir de forma natural, ali está o verdadeiro amor. cuida sempre, porque ele se esconde sob várias máscaras: desejo, apego, sentimento de posse... às vezes falta amor próprio. a mim já faltou muito, eu sei. mas hoje em dia já não é mais assim...
espero que fiques bem logo... tem muita gente legal no mundo, e capaz de retribuir teus sentimentos. não te entrega!

beijos!!!
:***

Rousi disse...

Acho que se a gente tivesse combinado a fossa não tnha dado tão certo kkkkkkkkk

E mesmo tendo falado de forma tão segura no meu texto... não sei o que é bom ou ruim qd o assunto é amor, só sei que (A)mar é o melhor e acredito que nos fazemos mal quando nos privamos de sentir e não quando sentimos em demasia.
Só sabemos que algo é amargo pq antes, em algum momento, saboreamos o doce (quem sabe levemente apimentado kkkkkk ôpa).

A gente não precisa " ter que deixar de gostar de alguém" a gente só precisa aprender que nem sempre temos as pessoas que amamos, já que amor não é possuir o outro... é justamente o contrario: não possuir e perder (o chão, o fôlego, a noção, os sentidos) para sempre encontrar o medo e a sensação de (des)apego.

Se eu fosse acrescentar algo aoo meu texto diria:

"Não consegui deixá-lo, nem deixá-lo com saudades, nem fazê-lo sentir que me perdeu", Deixei-o ir, apenas, porque o amava, mas já não o tinha mais.

E tudo isso não torna o amor menos bonito ou menos triste... torna-o, apenas, sonho-amoroso(INDIGNO DE ABANDONAR)

Muito boa a fossa kkkkkkkk, ops... O texto.

Beijos meus, sonhantes e incansáveis.

;@

m.markendorf. disse...

talvez esta seja a pior coisa do mundo: o que da memória que é inextinguível. ou não. a paixão platônica, irrealizada e irrealizável, é que pode ser a pior coisa do mundo.

gostei daqui.
grande abraço.

Suellen Verçosa disse...

Nós sempre nos iludimos achando que as pessoas são diferentes, e que os defeitos podemos mudar e torná-las mais perfeitas para o nosso mundo. Eu já me enganei! Você também. É bem mais confortável acreditar nessa ilusão.

E sentir, aquele sentimento puro, bom, é fazer uma doação, sem esperar algo em troca, mesmo sendo bemmm difícil não criar essa expectativa.

Bjus flor...
(Tudo passa...)

Josh Ágora disse...

As relações que estabelecemos são demaseadas complexas, é o que sempre acho. Mesmo que amemos, mesmo que odiemos, tudo é confuso, tudo é tênue demais. "Indimencionável". Ainda mais quando a pessoa que "papita" não experiências muito bem sucedidas nestas áreas, e justamente por não tê-las é que prefere fujir e escrever.

Posso sim me contrapor aos analístas e dizer que te entendo profundamente, de quase sentir o que sentes.

Sabe, o melhor que posso lhe dizer é que compartilho de sua dor.

E que o grande problema sempre estará nos valores que cada um possúi dentro de si levando-os a todos os lugares.

Fica bem, senhorita.

Grande abraço.

Jay.

aluah disse...

é gostar menos.
de si.