sexta-feira, 12 de setembro de 2008

sinto muito

finalmente ele está tão assíduo aos meus beijos, tão vulnerável ao meu corpo e às minhas palavras - e tão longe de mim...


ele me olha, mas não vê;
ele me toca, mas não percebe;
ele me escuta, mas não ouve;
ele não sente, mas eu sinto.


o que até um analfabeto saberia ler: as palavras que dizem os meus olhos o que o coração sente;
o que até um insensível poderia perceber: meu corpo, quase suplicando a presença e até mesmo a frieza do seu corpo;
o que até um surdo poderia ouvir: as palavras que a ti declamo e as que ainda não ousei dizer-te;
o que apenas um morto não sentiria, e é por isso que eu sinto: estou viva!, sinto por ele o que eu queria que ele sentisse por mim, além de todo o sentimento que possuo à parte disso: todo um passado [inventado?], presente [inventando] e futuro [inventado].

eu sinto muito por ele.
eu sinto muito por mim.








eu sinto muito por ele e eu.