segunda-feira, 18 de maio de 2009

(P)rosa triste

Eu já esperava de tudo, como sempre. Teu silêncio inicial.
Teu sermão.
Os olhares de reprovação, aos quais já me acostumei.
Acho que vou te deixar um pouco, embora me doa muito, mas é que eu sinto que a cada (des)feito meu tu vais embora.
A gente vai se perdendo.
É como se cada desfeito meu fosse apagando a imagem que tinhas de mim.
E agora ela tá sumindo... Mas eu não esperava isso.


Tu foste pra mim o meu lugar-comum, se fores embora, pra quem voltarei?

E nunca mais hei de voltar da minha perdição.
Me restará o refúgio nas palavras, e só.
Sozinha.

domingo, 10 de maio de 2009

Um Belíssimo Olhar




Os meus olhos. Os meus olhos têm esse verdume exótico e intenso. São verdes que penetram a essência das pessoas que os vêem. São verdes que confortam, que parecem adentrar-se na alma.São olhos tristes: eles representam o meu ser interior. E eu sou triste...Quem olha nos meus olhos e gosta da sensação que eles dão, é porque, involuntariamente, gostaram do conforto que é olhá-los e sentir que qualquer tristeza que se possa sentir seria bem menor do que a existente nesses intensos olhos verdes...Debaixo desse meu sorriso prá frente e de tantos amigos no meu coração, pra quem enxerga bem: há solidão. Solidão imensa.
.
.
.
.
[desenho feito por Goroh para mim, olhando meu interior através do exterior]

terça-feira, 5 de maio de 2009

Caminhos Cruzados - Maysa

Temos em comum um passado de desilusões. Somos eu e tu, dois corações despedaçados.
Geralmente, as pessoas se unem pela alegria.
Quando estou contigo, no entanto, sinto tristeza, gosto. Apenas dói um pouco isso de sentir-se alegre em meio a tristeza...
Queres mesmo saber o que se passa na minha cabeça? Quero.
Sou muito inconstante, nenhuma novidade, não? Não. Sinto que tenho que cuidar de ti... do teu coração, tão sofrido quanto o meu.
Às vezes tem hora que eu sinto que vais embora, dá vontade de gritar: Vai não! Vai não! É que às vezes eu vou embora mesmo. Pra onde? Te deixando, indo pra algum lugar que não sei onde.

Isso acontece comigo, sabe? Vai não...

Eu não quero ir, minha cabeça não quer ir, mas meu coração vai...
Sabes qual é o problema? Talvez. Talvez... a gente tenha começado antes do tempo, e eu sou impaciente. Não sei explicar o que sinto quando me abraças, algo quase sublime, diria.
É como se tu esperastes algo que só vem mais pela frente. Isso! É isso! Eu queria sentir agora o que talvez mais na frente chegasse a sentir. É um caminho a se percorrer, até um dia que vamos nos ter.
E agora, coração? Eu sempre estive aqui, você que tenta fugir de mim. Eu não estou acostumada com a felicidade. "Mas fica, meu amor Quem sabe um dia. Por descuido ou poesia. Você goste de ficar". Lutei muito pouco pra te ter, sabe... queria ter passado mais tempo tentando te ganhar pra mim. Me disseste: acho que estou gostando de você, tenho medo...

Eu gosto de você. Gosta? Gosto.

Só não imaginei que seria assim: tão assim. E eu achava que eu que procurava seguir você, e não te levar... Mas vejo que isso foi uma decisão de nós dois. Sou muito emotiva. Se um dia eu te disse isso, é porque naquele momento era o que eu sentia e queria dizer. Porque nós dois precisávamos tanto disso, mesmo um levando, ou o outro, foi decisão dos dois seguir, e avançamos muito. Muito. Para um ponto onde já deveria haver sentimento. E não há, o bastante... Queres estar comigo? Queres ocupar meu coração? Quero. Quero. Então não vá embora, não perca o pouco que já conseguiu. Sou tão amante da vida quanto você.

Eu queria te perder só pra ver se eu iria te encontrar. És tão interessante.

Eu literalmente e literariamente já fui louca por um homem, e queria sentir isso por outra pessoa. E agora? Tenho medo de gostar de ti e um dia... acabar. Queira só o presente. O presente? Agora, agora, no presente, eu não quero é nada. Nem essa cama, nem essa cidade. Nem eu, nem você. Nem você e eu. Estás fazendo que eu seja forte por ti. Faz isso não... Isso me faz mal, sabe? Faz-me mal fazer-te mal. H? Estou aqui, estou sempre aqui.
O que eu quero? Eu não sei o que eu quero. Não sei porque não sei o que quero.
Agora, agora, eu só queria que tudo ficasse sustenido. Tudo. Até eu e você?

.........................................................Deixa eu sentir tua falta.

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Me Deixe Só - Maysa

Tira tuas mãos de mim!
Embora goste tanto do tato entre nós dois.
Gosto da maneira como delineias com teus dedos a minha boca. Seguras-me como se me protegestes de qualquer coisa.
Beijas-me como se eu fosse tua, toda tua. E sou.
Sou tua, tua e de muitos outros que já passaram na minha vida, de poucos que passaram no
meu coração - agora já cansado.
Deves perguntar-te porque diabos passo tanto tempo apenas olhando-te, calada.
Não percebes?
Não me lês?
Olhando-te percebi que te tenho cuidado, embora tantas vezes te dirija olhares de despedida...
Despeço-me de ti em cada olhar.
Não sei até quando tentarei levar-te comigo.
Porém, vens comigo.
Sim, vens comigo, mas não como deverias vir...
E pode ser que, talvez, de repente eu tenha que deixar-te.
Deixar-te para outrem, mesmo sabendo que invejarei a tua próxima por ter-te, por querer tua constância, por querer teu carinho, teu abraço, teu amor, sempre tão constantes em ti... por querer-te sempre e sempre.
O que eu não quero.
Dói.
Quanto estou ao teu lado, sinto que não deveria te abandonar, me dá vontade de reconstruir teu coração - também aos cacos.
Dói em mim a tua dor dissimulada.
Dói em mim saber que encontro-me juntando os restos do teu coração para que um dia talvez eu te abandone, deixando-te para outro alguém reunir novamente os cacos de mais um amor frustrado, dói que te cause isso só para poder reconstruir meu coração, já tão castigado...
E em cada olhar há uma despedida.
Tira tuas mãos de mim!
Quero-te, porém, distante, intocável, inefável...
Porque melhor te amarei quando já não me amares mais...
E eis que ao delineares minha pele, sinto-me bem.
Porém, não me abandones!
Deixa este fardo comigo.
Deixa as conseqüencias comigo.
Talvez um dia eu sinta a tua falta.
E nesse dia...
Eu invejarei a tua próxima por ter-te perto.