segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Cicuta hedônica

.
.
.

Por favor e com paixão,

Traga-me à vida pela morte

Dos sentidos extasiados.

Ávida, peço-te:

Traga o trago derradeiro.

Traga-me um cigarro,

Um cinzeiro.

Um copo de whisky,

Muito calor

E quatro pedras de gelo.

Apolíneo e dionisíaco,

Leva-me pra cama e...

Traga-me!


.
.
.

9 comentários:

Maria disse...

"Leva-me pra cama e... Traga-me!"

Versos poderosos...achei lindo...

=***

teko t. van kuyk disse...

no calor eu fico com uma cerveja mais do que nada.

definitivamente adicionei.

ricardo ara disse...

caralho garota
bom pra caralhos esses teus poemas

Vitor disse...

a morte pela êxtase dos sentidos, provavelmente a melhor das mortes.

Como sempre tenho que ler várias vezes para captar. O último traga-me tem um duplo sentido: o verbo trazer e o verbo tragar. Perfeito!

Só não entendi o apolíneo, seriam o cinzeiro, as quatro pedras de gelo e o por favor?

isabel disse...

traga-me toda, traga-me toda...
delírios de um segunda regada a cervejas

Audrey Carvalho Pinto disse...

culto ao hedonismo!!
achei foda!!

Diafragmática disse...

do caralho!

.ana disse...

intenso. adorei :)


beijos!

A. disse...

"Traga-me à vida pela morte
Dos sentidos extasiados."

"O que não tem medida, nem nunca terá
O que não tem remédio, nem nunca terá
O que não tem receita"

forte.