quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Neoliberalismo sentimental

Caro coração,
Do copo que bebestes guardei o copo, teu abraço agridoce, tua saliva, meu pranto e teu corpo. Hoje deito-me num mar de espinhos, de águas salgadas caídas de um rosto. Meu corpo, meu rosto. A tristeza agudou-se, as palavras minguaram. Chegaste triste, saiste contente. Levaste de mim toda a alegria; que a felicidade em mim não existe. Tu Floripes, eu João dos Ais. Vens como a primavera: minha alma floresce na tua presença; vais embora e pouco a pouco volto a ser outono: morrem em mim todas as flores. Caem todas as folhas, todas as folhas passíveis de serem escritas. No copo que bebeste guardei minha mágoa, transbodando em cinzas. Domingo fui flor, hoje sou folha caída. Meu Estado é o meu estado de espírito e ainda me dói o sabor das tuas costas em minhas mãos. Encontro-me num estado agudo e obtuso de frustração: da dor da evasão das tuas palavras, dos espinhos das tuas costas no meu corpo, no meu coração. No meu corpocoração. Quantas vezes precisarei pagar uma morte pra renascer no teu amor? Caro coração...

3 comentários:

Wagner disse...

Já ouviste falar em Floripes?!

Ela disse em um trexo do livro de Barbosa:

"É necessário que um homem me dê um abraço, à beira de um rio, e me fira no braço contíguo ao coração. Logo que tal aconteça, irei de imediato para junto dos meus familiares. Mas existe uma dificuldade. O homem que me abraçar e me ferir terá de me acompanhar até África, atravessar o oceano com duas velas acesas e casar comigo à chegada..."

Eu acho que ela queria dizer:

"É necessário sacrificar-se para conseguir algum fim no amor; e eu preciso de alguém para isso."

Como sabia da vida, aquela pobre mulher... Creio que respondi a sua última pergunta.

Maria disse...

A folha cai para dar lugar a outra flor...

Madame disse...

Lindo...