segunda-feira, 15 de março de 2010

Ensaio sobre o amor III

Ela era uma flor. Ainda é - e, penso, será assim sempre. Não havia como não ser, não pela beleza de uma flor, mas sim por necessitar ser podada, por necessitar cuidado e atenção. E, sendo uma rosa, era muito vaidosa, como não podia deixar de ser. Era-lhe fundamental estar bonita, senão, de que valeriam as rosas, tão cheias espinhos? Carente e vaidosa, mas sem convencimento, perguntou: Amor, tu me acha bonita? Acho amor. Eu te acho bonita, senão, eu não teria ficado com você, né?! Bonita por fora e mais ainda por dentro. É claro que eu já fiquei com mulheres mais bonitas, lindas, já namorei até uma modelo. Mas, o que vale é isso aqui, ó! (Cabeça) Pra mim você é perfeita.

4 comentários:

Hosana Lemos disse...

quando a perfeição é notada através da essência, quando o real é visível aos olhos!
^^

lindo

M. disse...

Eu ganhei um cartão de aniversário, certa vez, que dizia a frase clichê: a beleza está nos olhos de quem vê. Apesar de, no fundo, pensar que fui chamada de feia, achei lindo. Levo isso comigo desde então...

A beleza, na verdade, mora dentro dos nossos olhos. A gente se enfeita e enfeita aos outros porque algo dentro do mundo além retinas nos avisa que ali tem beleza real, daquelas capazes de atravessar rugas e cabelos desgrenhados pela manhã.

M. disse...

Não resisti à curiosidade e vim perguntar: essas fotos, no canto direito da tela, são de sua autoria? Elas são lindas demais, viu?

Anônimo disse...

Por que nao:)