quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Voa, passarinho, voa

"Tina Modotti: I don’t believe in marriage. [crowd laughs] Tina Modotti: No, I really don’t. Let me be clear about that. I think at worst it’s a hostile political act, a way for small-minded men to keep women in the house and out of the way, wrapped up in the guise of tradition and conservative religious nonsense. At best, it’s a happy delusion - these two people who truly love each other and have no idea how truly miserable they’re about to make each other. But, but, when two people know that, and they decide with eyes wide open to face each other and get married anyway, then I don’t think it’s conservative or delusional. I think it’s radical and courageous and very romantic. To Diego and Frida." - Frida (2002)

.
.
.
.
.
.

À Danielle e Gabriel, pelo corajoso ato de lançar-se a um céu-caixa-preta, juntos, olhando na mesma direção e em todos os caminhos sempre um ao outro. Por amarem-se em liberdade e em liberdade de vôo decidirem desafiar e ao mesmo tempo desejar a rotina. Por amarem-se em liberdade e em liberdade deixarem-se ser cais um para outro. Ser terra, ser pouso.
Ser ninho.

Aos dois passarinhos.

2 comentários:

ninguém disse...

eu acho fantástica essa tua sensibilidade, tua empatia. Eu realmente sinto o que você escreveu, e fico feliz por conseguir transmitir isso (mesmo que silenciosamente). Eu acreditava que as coisas iriam permanecer do mesmo jeito depois que eu casasse, e elas realmente permaneceram. Mas eu estou diferente, como se uma revolução tivesse acontecido dentro de mim(e eu só estou casada há dois dias). E eu acho que teu texto fala um pouco dessa revolução. Muito obrigada, Haulinha!

Daros disse...

Do caralho. Desculpe o vocabulario mas nao pensei em nada melhor pra me expressar nesse momento.