segunda-feira, 15 de março de 2010

Ensaio sobre o amor III

Ela era uma flor. Ainda é - e, penso, será assim sempre. Não havia como não ser, não pela beleza de uma flor, mas sim por necessitar ser podada, por necessitar cuidado e atenção. E, sendo uma rosa, era muito vaidosa, como não podia deixar de ser. Era-lhe fundamental estar bonita, senão, de que valeriam as rosas, tão cheias espinhos? Carente e vaidosa, mas sem convencimento, perguntou: Amor, tu me acha bonita? Acho amor. Eu te acho bonita, senão, eu não teria ficado com você, né?! Bonita por fora e mais ainda por dentro. É claro que eu já fiquei com mulheres mais bonitas, lindas, já namorei até uma modelo. Mas, o que vale é isso aqui, ó! (Cabeça) Pra mim você é perfeita.