quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Colcha de Retalhos (Já retalhos de uma colcha)


A tua pele tem o frescor
dos bons ventos
da tarde


Com os retalhos diários
que um ao outro nos damos de nós mesmos,
e embora seja a agudez das coisas
e do tempo que somos
a própria agulha a nos perpassar,
À quatro mãos nos tecemos
o que por vezes esquecemos
quando esquecemos de transbordar
à dois corações nos cosemos,
com o que um dia tivemos,
igual ao sol que sempre acorda
e nunca dorme
Quando tudo apercebamos
Uma vida costurámos
e finda o perpassar da linha no tecido, estará tudo feito;
quando de rugas nossos rostos de fantasiarem,
Virá o arremate:
na cama deitaremos os dois a mirar-nos
um ao outro todos os rostos que fomos,
todos os momentos que, como
chegamos a estar aqui?
E então ante o sono derradeiro,
e embora sob o calor
do que outrora fora paixão,
nos abraçaremos por inteiro
sob aquilo que construímos com ardor
Ternamente um ao outro sorriremos,
e entregar-nos-emos ao Roteiro
debaixo de uma colcha de retalhos feita à mão.





Que nosso amor seja
uma colcha de retalhos,
nunca retalhos de uma colcha

15 de setembro de 2011

5 comentários:

Daros disse...

Muito bom!!

Anônimo disse...

Bom texto. Visto de modo a envolver nao dois, e sim tres (mil), pode-se sentir o amargo gole do destino. Bom ler-te outra vez. Necessita-te.

Anônimo disse...

que lindo...

unr disse...

texto bem construído,meio complicado,sem revisão gramatical.Mas,o que vale é a poetização da vida

aaluah disse...

bem verdade, o que vale é a poetização da vida, além do mais, compreende-se o que está aí dito. sim (ou não)?

[não gosto muito da idéia de explicar o que já tenho dito, penso que após parir um texto ele me transcende e passa a ter vida própria, aí então o que eu vejo já pode nem ser o que via enquanto o fazia. ainda assim, contrária a isso que acabo de dizer, vou ressaltar que sim, devem haver algumas falhas gramaticais nesse e em outros textos, e que sim, devem haver sim, entretanto, algumas são propositais porque só fazia sentido exatamente assim, do jeito ''errado'']