quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Dos arre(pendimentos)


O que seria o arrependimento? 
Da mera observância da palavra, um facilmente poderia depreender a noção de pendência. Ora, não seria o arrepender-se tudo quanto pendente ao que passou-se - ou não? O arrependimento está ligado ao remorso de ter feito alguma coisa, e, portanto, sucede o feito não raro cumulado com lamentações, remorsos, vergonha e sentimentos conexos. Entretanto, nem sempre está o arrependimento relacionado a um passado concreto, a um feito - ou desfeito. Muitas vezes o ato de arrepender-se, se é que de ato podemos chamar, origina-se a partir de algo que nunca sucedeu, de coisa alguma que nunca teve lugar na vida de alguém ou de algo, daí surgindo o arrependimento pelo o que deveria ter acontecido e, por alguma razão ou na falta desta, nunca ultrapassou os limites da imaginação e dos quereres. Por fim, entre carregar um arrependimento como  carrega-se a uma cruz ou segurá-lo como faz-se a um balão, melhor seria deles olvidar-se, romper com os pendimentos e centrar-se em algo novo: no inaudito, que de arrependimentos nada conheça.



aos dezesseis dias do mês de janeiro do ano de dois mil e cresce treze

Um comentário:

Maria disse...

Eu concordo. Acho pesado demais carregar o que está feito, o que não pode ser mudado. É como carregar a frustração. É melhor se abrir para o novo. A vida chama. O passado é para ficar no passado e não no presente.

meu beijo