quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Das mãos que carrego













quem me vê as unhas gastas
pensará de mim ser criada
de pratos ocupada

bem capaz ser sertaneja
na seca terra e gado
peleja

por certo juízo avariado
ânsia unha e dente
caqueado

mais bem me dirão puta
homem cigarro e suor
labuta

no meio da cidade
carros luzes bipes telefonemas humores
exaltados

que me vê as unhas gastas
pensará de mim tudo
menos fita dedos teclas
mãos à máquina
dizeres talhados.