segunda-feira, 20 de junho de 2016





muitas vezes não sei do que estou falando, mas sei do que estou dizendo
e isso também não quer dizer nada
está dizendo sem querer







crio e alimento
personagens dentro de mim a partir de qualquer coisa como um fio de cabelo
ou até mesmo 
do nada

dou-lhes sempre a pertinência e a dignidade
de ter uma música qualquer
para preencher o silêncio que é ouvir suas vozes


até chegar o dia em que eu os encontre fora de mim










domingo, 5 de junho de 2016


























este lugar aqui
redundância
é um 
eterno 
retorno


















































mas por que
essa
NECESSIDADE
tão insípida
dentre tudo o que vive
tão vívida
de tudo o que morre
tão latente
de escrever?















pra leitura
- pra raiva,
pra solidão,
pra nostalgia -
os cigarros poderiam ser
mais longos



sábado, 4 de junho de 2016




gosto do inverno
porque ele condiz
com um estado de espírito
perene
em mim